PUBLICIDADE



PLANTãO REGIONAL

SETE LAGOAS

08, Outubro de 2020

Prefeitura vai concluir obras da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) através de consórcio de empresas: Sete Lagoas vai tratar seu esgoto

Começa nos próximos dias uma das obras de maior alcance ambiental de Sete Lagoas. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) formalizou, nesta segunda-feira, 5, o contrato para construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Sete Lagoas. A execução será de responsabilidade do Consórcio Sete Lagoas, formado pelas empresas Conata Lider, Infracon, RFJ, Sinarco, R&R, Dact, que venceu o processo licitatório com o preço de R$ 72 milhões.

A ETE começou a ser construída em 2018, mas o projeto foi paralisado por conflitos contratuais entre o Município e a empresa contratada também por meio de concorrência pública. Nos últimos meses, a Prefeitura e o SAAE trabalharam forte para garantir o investimento do Governo Federal firmado pelo contrato n° 0424.406-56. 

Depois de realizar a Concorrência Pública nº 02/2019, onde foram apresentadas seis propostas, o Consórcio Sete Lagoas foi confirmado como vencedor. O contrato foi assinado pelo presidente do SAAE, Robson Machado, e o representante do pool de empresas, Gustavo Bueno Camatta. Logo após a assinatura, foi realizada uma visita no local onde a obra será construída. “A expectativa é que os trabalhos sejam iniciados rapidamente. Toda equipe técnica do SAAE está colaborando nesta etapa. O prazo de execução é de 18 meses, mas em 14 meses de andamento dos trabalhos, a ETE estará apta a operar”, explica Robson Machado. 

INVESTIMENTO

O investimento total será de R$ 72.407.893,96, sendo R$ 63.798.243,03 (88,11%) de repasses do Governo Federal e R$ 8.609.650,93 (11,89%) de contrapartida do Município. 
SITUAÇÃO ATUAL
Sete Lagoas coleta cerca de 97,5% de seu esgoto sanitário, mas somente 10% deste total são tratados por meio de mini-estações sob responsabilidade do SAAE. Os outros 90% são despejados “in natura” nas bacias do córrego dos Tropeiros e do ribeirão Matadouro, chegando até o Rio das Velhas. Por isso, a construção da ETE é o projeto de maior alcance ambiental da história de Sete Lagoas. 
A ETE
O projeto vai implantar um sistema de interceptação unificando e sistematizando o esgotamento sanitário do município com a ETE. A capacidade inicial é de 510,73 litros/segundo, com projeção até 2035, quando a estimativa prevê Sete Lagoas com 294.182 habitantes. A ETE será construída na comunidade de Areias, após o bairro Tamanduá, ocupando um terreno de aproximadamente 130.000 m². O empreendimento terá uma única unidade para atender às duas bacias hidrográficas da sede do município. O sistema de tratamento contará também com a construção de seis novos interceptores, perfazendo aproximadamente 31 km. O tratamento do esgoto sanitário será em duas fases, uma anaeróbica, constituída por reator do tipo UASB, e outra aeróbica, composta por filtros biológicos percoladores e decantadores secundários.