PUBLICIDADE



PLANTãO REGIONAL

SETE LAGOAS

23, Setembro de 2021

Assassinato ou acidente? Mãe busca verdade sobre morte de Izabelle Cristina

A família de uma jovem que morreu no início de abril após se desequilibrar e cair de uma escada no bairro Montreal, em Sete Lagoas, ainda tenta entender se a mulher foi vítima de um acidente ou de um crime.

Izabelle Cristine Figueiredo (foto), de 19 anos, morreu no feriado do dia 2 de abril. Ela estava em uma festa junto com o namorado e outros três casais de amigos. Segundo o que as testemunhas relataram aos policiais, Izabelle teria tomado três garrafas de uma bebida alcoólica gaseificada e, pouco depois, teria começado a passar mal. A jovem teria tomado um remédio para dor e outro para o estômago, tendo ido se deitar logo em seguida.

Momentos depois, quando decidiu ir embora da confraternização junto com o namorado, Izabelle teria se desequilibrado e caído pela escada da causa, o que teria causado a morte da jovem. 

A família da vítima afirma que não acredita nesta versão. O exame toxicológico feito pela Polícia Civil contradiz os depoimentos das testemunhas e aumenta ainda mais a desconfiança dos parentes, já que o teste não encontrou traços de drogas, medicamentos ou álcool no sangue da jovem.

A industriária Catiane Geralda Figueiredo, mãe de Izabella, tem feito uso de remédios controlados desde a morte da filha. Ela diz que ainda não tem certeza do que a jovem passou naquele dia. “Nunca bebeu, quem conhecia ela sabe disso. Eu não sei se ela saiu da escada, se ela foi empurrada ou se fizeram algo com ela e depois jogaram minha filha da escada”, contou. O celular de Izabelle, que estaria com ela no momento da queda, não teria sofrido nenhum arranhão.

A Polícia Civil abriu um inquérito e já ouviu as testemunhas.  No dia 20 de novembro a Promotoria de Justiça determinou que os autos retornassem para a Delegacia de Homicídios de Sete Lagoas e diligências fossem feitas para elucidação do caso. “Não busco incriminar ninguém, busco apenas a verdade de forma clara como deve ser”, afirmou a mãe Catiane Geralda.