PUBLICIDADE



PLANTãO REGIONAL/COM G1

PEDRO LEOPOLDO

07, Outubro de 2021

Justiça autoriza retomada de obras de fábrica da Heineken em Pedro Leopoldo, mas grupo vai aguardar

A Justiça autorizou, por meio de liminar, que a Heineken continue com as obras de sua cervejaria em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A decisão é desta quarta-feira (6). Apesar da aprovação da Justiça, a empresa disse que optou por, neste momento, manter as obras suspensas.

"Acreditamos que o diálogo com os órgãos envolvidos é sempre o melhor caminho e, por isso, manteremos as conversas no sentido de reiterar todo o respaldo técnico necessário para definitiva retomada e construção da cervejaria".

Por meio de nota nas redes sociais, a prefeitura confirmou a informação.

Leia a íntegra do comunicado:

"A Prefeitura de Pedro Leopoldo informa que foi comunicada sobre a concessão da liminar que permite a construção da cervejaria Heineken na cidade de Pedro Leopoldo (MG). A informação dada pela empresa é de que serão respeitados todos os entendimentos referentes ao caso e, apesar da decisão judicial permitir a completa retomada das atividades, neste momento as obras permanecerão suspensas até a finalização do diálogo com os órgãos competentes".

A cervejaria confirmou a decisão judicial. Leia a íntegra da nota.

"Confirmamos a concessão da liminar que permite a construção da nossa cervejaria na cidade de Pedro Leopoldo (MG). Respeitamos todos os entendimentos referentes ao caso e, apesar da decisão judicial permitir a retomada completa e imediata das atividades, optamos por neste momento manter as obras suspensas. Acreditamos que o diálogo com os órgãos envolvidos é sempre o melhor caminho e, por isso, manteremos as conversas no sentido de reiterar todo o respaldo técnico necessário para definitiva retomada e construção da cervejaria".

Embargo

Em setembro, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) embargou a área onde funcionaria a fábrica. O empreendimento, que pretende produzir 760 milhões de litros por ano, causaria danos à área onde foi encontrado o fóssil humano mais antigo das Américas, conhecido como "Luzia".